No topo do mundo – parte I

Continuando a serie “Explorando a Região”, em Fevereiro/15 – (11 a 13/02/15) fomos para Kiruna, a última cidade ao norte da Suecia! 

Não pense que meus filhos faltam da escola para viajar, não mesmo! Essa é uma semana que não tem aula, é chamada de Sportlov ou feriado do esporte, seria a última oportunidade de praticar os esportes de inverno antes que o inverno acabe.





Não estamos chamando essa viagem de uma “simples viagem” e sim de “uma experiência”… Pois tudo que passamos lá foi novidade para nós…

Kiruna é um dos lugares em que se pode ver a Aurora Boreal ou Luzes do Norte, como se chama por aqui… Nós vimos, mas NÃO como se vê na TV ou no cartão postal, vimos bem fraca e sua cor estava entre cinza e verde claro, mas infelizmente não consegui fotografar 😞 meus conhecimentos fotográficos e meu equipamento 📷 não me permitiram tal registro. 

A cidade não é muito grande e sua principal atividade econômica gira em torno do turismo e da maior mina subterranea de ferro do mundo – LKAB. Se quiser saber mais dê uma olhada no Google que vale a pena…

Existe um programa de visitas, onde descemos (de ônibus) a 540 metros de profundidade até chegarmos ao museu. É incrivel, pois quando a gente começa a descer não dá para imaginar que estamos indo tão longe. Essa é só a metade da mina, as escavações já ultrapassam os mil metros de profundidade. 

 

Uma de suas atrações é o IceHotel ou Hotel de Gelo. Todos os anos tem uma nova edição, que começa a ser construída em Novembro e sua temporada vai até meados de Abril, quando ele começa a derreter. Esse ano ele esta completando 25 anos… Vários artistas estão envolvidos no projeto e assinam os quartos que decoraram (tudo de gelo). A temperatura interna é mantida em -5•C, isso mesmo -5•C ❄️ e é uma experiência das mais malucas dormir lá… Mas não deve ser perdida por nada!!!!  Nem pelo medo do frio e nem pela gripe (ah! Esqueci de contar, eu, o Guga e a Juju estávamos com aquela gripe).

  

Então lá fomos nós Brasucas, em nossa primeira aventura no circulo Polar Ártico, dormir no Hotel de Gelo.

  

O Hotel tem duas partes, a aquecida que até lembra algum hotel de Monte Verde, mas o diferencial é a parte gelada… Com aproximadamente 54 quartos divididos em algumas categorias (claro que tem a ver com preços e com os projetos dos artistas que eu citei acima…), escolhemos um que se chamava Snow (Neve) bem parecido com um iglu, com uma cama para 4 pessoas feita todinha de gelo e forrada com peles de renas, isso mesmo aqueles animais que puxam o treno do Papai Noel!

Tudo é bem organizado, as 17:30h recebemos um treinamento de como tudo funciona e de como devemos nos preparar para dormir… 

Lá pelas 22 horas (horário indicado para irmos para a cama) recebemos um saco de dormir que consegue nos manter aquecidos até a temperatura de -25•… 

  

Todos prontos… Hora de dormir😴❄️😴❄️😴

Dormir num hotel de gelo é realmente uma experiência incrível… E acreditem se quiser, nós melhoramos da gripe!!!

Aí você deve estar se perguntando, mas parece que eles estavam no cenário do filme Frozen? E eu respondo, um hotel como esse em Quebec no Canada, foi usado com inspiração para o castelo da Elsa… Além de muitas imagens da “nossa vizinha” Noruega… 

Sim, me senti convidada da Elsa para dormir em seu castelo…

❄️Let it go, ❄️let it go, ❄️let it go…

Anúncios

Marstand – uma ilha dos “ricos e famosos”

Hej Brasucas,

Como estou atualizando nosso primeiro ano aqui na Suecia, gostaria de contar nossa primeira experiência da série: “Explorando a região” .

Nossa primeira “exploração” foi pouco menos de um mês (Julho/13) depois da nossa chegada aqui, fomos até Marstand,  uma ilha que fica +/-  50km de Gotemburgo, é considerada um dos m2 mais caros da Suecia.

Uma ilha muito charmosa com casas e barcos de filmes. Muitas casas são apenas usadas nas férias de verão.

Para chegar na ilha é necessário deixar o carro estacionado no continente e pegar uma pequena balsa, a travessia leva no máximo 5 minutos. Como foi nosso primeiro passeio por aqui, estava meio perdida e com frio…rsrs, tadinha de mim, mal sabia que um ano depois estaria achando aquela temperatura super agradável.

Além de casas bonitas, belas paisagens, algumas lojas (bem carinhas), a parte de alimentação não deixa a desejar. Muitos restaurantes, cafés e até quiosques de sorvetes e cachorro quente, alias nunca vi povo para gostar tanto de cachorro quente como os suecos.

Escolhemos um restaurante para almoçar, estava muito bom. Agora aprendi aquele dia e venho aperfeiçoando até hoje a paciência em restaurantes, aqui os serviços são bem lentos e uma dica é: não entre num restaurante com fome, porque você vai sair com raiva e com dor de cabeça. Ainda não descobri o por que, mas na maioria dos restaurantes que já fui demora

No topo da ilha fica o Carlsten Fort, um forte que nos séculos passados era usado para proteger a ilha de ataques inimigos. O fato interessante é que ele começou a ser construído em 1600 e só foi  concluído 200 anos anos mais tarde… Uma pena que o tour guiado era só em sueco, acabamos comprando a entrada e ficamos andando lá dentro um tempão, tinha algumas plaquinhas informativas para ajudar a entender e uma brochura com informações históricas, mas nada como um bom guia para fazer a visita ficar mais emocionante, quando aprender sueco volto lá só para fazer o tal tour guiado.

Apesar de não saber muito sobre o forte, o que eu posso dizer é que além dele imponente e muito charmoso, a vista da parte da parte mais alta é fantástica, de lá é possível ver todo o arquipélago.

Espero que gostem das fotos…

 

 

Marina da ilha

Marina da ilha

 

Casa de verão!!

Casa de verão!!

 

Carlsten Fort

Carlsten Fort

 

Vista do alto do forte

Vista do alto do forte

 

 

Porque aqui a forca não era só um jogo.

Porque aqui a forca não era só um jogo

 

O guarda e euzinha... rs

O guarda e euzinha… rs